.

.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Luz e Mistério

Luz é mistério revelado e mistério é luz velada...
Riso sério é um amplexo de amor entre ambos.


- Jorge Pi


terça-feira, 18 de abril de 2017

Antes...

Antes, termos a coragem de olhar, face a face, nosso vazio interior do que termos a ingênua ilusão de acharmos estar repletos de nada...

- Jorge Pi

Para quê?!

Para quê respiro? Para quê vejo? Para quê ouço? Para quê penso? Para quê sinto? Para quê aprendo? Para quê amo? Para quê testemunho? Para quê questiono? Para quê escolho? Para quê determino? Para quê almejo? Para quê converso? Para quê calo? Para quê ardo? Para quê glorifico? Para quê rebento? Para quê modifico? Para quê me alimento? Para quê me abstenho? Para quê faço? Para quê desfaço? Para quê dobro? Para quê amasso? Para quê beijo? Para quê abraço? Para quê nasço? Para quê vivo? Para quê morro?... Responder, não preciso! Responder, para quê?! Perguntar é o "quê" da questão! Silenciar pra compreender...

- Jorge Pi

Até pensamos...

Um mil e novecentos e sessenta e oito... Aí, no ano em que nasci, cinco cravos torpes e medonhos, presos à carne de um sonho de Brasilidade a perseguir, tangia-nos para longe de um bosque que, separado de nós por um muro, privava-nos daquela doce e singela donzela: a Democracia. Restando-nos o insaciante saborear da maçã de um desejo de, um dia, quem sabe, viéssemos a lhe beijar os lábios e até pensar que fosse nossa...
- Jorge Pi

Até Pensei Chico Buarque Junto à minha rua havia um bosque Que um muro alto proibia Lá todo balão caia, toda maçã nascia E o dono do bosque nem via Do…
YOUTUBE.COM

Maturidade

Maturidade... A isto, todos almejamos...
Mas, o que é maturidade?
Maturidade não tem nada a ver com idade. Tem, sim, com s-e-r-e-n-i-d-a-d-e!
Serenar é maturar!
Matura-se quando, em dado tempo de um percurso, de repente, vislumbra-se, numa visão de conjunto, o todo de um esquema que, até então, estava fragmentado.
Então, serena-se!
E a completude pousa e se instaura e se satisfaz e nos plenifica, integralmente.
Mas, apesar de que após toda tempestade vem a bonança, a vida segue, no entanto... Meandros soltos... Consciência amarrada... Aprendizado anotado, partir em busca de mais aprender... E nos desprendemos da plenitude... E nos pomos, outra vez, a andar...
Passos e des-passos se apossam de nossa lida...
Lida de des-tinos: ser, em nada... Nada ser...
E, do nada, em toda a via: maturar, por serenar, pra florescer!

- Jorge Pi

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Um Perigo

A vida é um perigo: repleta de facas, no ar. Um perigo cortante e recorrente, desses que se nos atazana a ofegante vontade de viver em meio a uma perene chuva de cortantes facas que nos fragmentam em muitos pedaços de nós... Mas, nós, despedaçados, damos-nos as mãos e persistimos com o ímpeto de sermos um só; tão dissimuladamente que, por vezes, temos a impressão de constituirmos uma inteireza utopicamente desejada; malgrado, aqui e ali, a lucidez se nos apresente, separando as mãos, desfazendo a unidade...

- Jorge Pi

terça-feira, 28 de março de 2017

Entre Loucura e Santidade

Nos limites entre a sanidade e aquilo que nos apressamos em denominar de loucura, há uma instância na qual se pode vivenciar a 'divina desventura' de se ser d e m a s i a a a a d o, tão-somente em não nos conformarmos à medida e aos padrões pré-estabelecidos do miserabilíssimo e comum senso de não se dar vez ao belo e à harmonia naquilo que seja humanamente realizável... Como se o Humano em nós estivesse meramente circunscrito a uma trivialidade desprovida de alma e profundidade... Há mais força e poder num leve abrir e fechar de pálpebras do que possa presumir a pseuda práxis daqueles que se esquivam à aventura de ser, na plenitude do existir, do pensar com método e do perceber, em atualidade, a realidade do aqui e agora, em sintonia com a Humanidade, em histórica e persistente construção, destruição e reconstrução contínuas...

- Jorge Pi

Convenção

Entre a poética, o poeta e a 'aquele qualquer aquilo' objeto do poetar, há uma insuspeita, inusitada e, no entanto, intrínseca e evidentemente intuída teia de uma misteriosa matéria que se convenciona denominar poesia...

- Jorge Pi

SerMão

Bem-aventurado, o sono; ele mina o cansaço da vida!
Bem-aventurada, a cama; ela tira o cansaço da gente!
Bem-aventurada, a sede; ela mostra a importância da água!
Bem-aventurada, a fome; ela faz recompormos o corpo!
Bem-aventurado, o corpo; ele é o Templo Sagrado do Espírito!
Bem-aventurado, o Espírito; ele é a mão, da qual o corpo é a luva!
Bem-aventurada, a dor; é sinal do caminho do amor!
Bem-aventurado, o amor; é a Presença Silente de Deus!
Bem-aventurados, oh, Deus, o Caminho, a Verdade, a Vida!
Montanha Sagrada Residente em nós, Revela-nos Filho do Homem, que Somos!
Yod He Vau He, acolham, com afeto, o Shim, que é Jesus!

Amem-No!


- Jorge Pi

domingo, 26 de março de 2017

Abraço

Abraço com singeleza e ternura toda a minha vida! Minha vida que é tão simples e tão modesta. Grato sou por respirar o ar da Terra; por beber de sua água; por comer de sua vida! Oh! Quanta honra, a minha, agora: ser um traço de união entre o que fui e o que serei! Pois sei que sou pequeno traço: reparto em mim ser e não-ser... Não ser mais nunca, no passado; não ser ainda, no futuro! Sendo o que sou; não-sendo não-ser. Presente contido em contínuo Presente! Pré-sente o menino: um dia vai Ser... Menino se torna um homem maduro; má, dura a dureza de não realizar... São expectativas frustradas, malditas; mas, há, mesmo assim, razão pra viver! Maduro menino em corpo de homem, sacode a poeira e retoma o estradar!

Jorge Pi

quinta-feira, 23 de março de 2017

O Amor Existe

O Amor existe! Sinto-o em cada reentrância das mais variadas formas de me relacionar com a Vida! Ele é doce e amargo, denso e suave. Sua fragrância exala um perfume inigualável: o sempre estar disposto ao querer bem àquilo a que se ama. Nunca é tarde para se amar; nunca é cedo, para o amor! Mas, o Amor de Verdade nos exige compromisso e lealdade: fidelidade é o seu tempero! Ele é Luz que aclara o caminho dos pertinazes viajantes em busca de si mesmos, através da dedicação que dispensam aos seus respectivos amantes. Mas é preciso ter muito cuidado com o Amor! É Fogo que queima, caso não seja bem cuidado... E a dor causada pela negligência no trato com o Amor é infinitamente maior do que qualquer dor que possa suportar a pobre carne. O Espírito se torna uma imensa chaga que não pode ser curada pelo mais eficaz dos bálsamos, a não ser por ele próprio. O Amor é a cura do amor, quando o amor aspirar pelo Amor! Então, o próprio Deus se rende a tal Ventura; pois, Ele mesmo É O próprio Verdadeiro Amor!

Jorge Pi

A Vontade de Deus

Tudo acontece pela Vontade de Deus... Se não acontece, é a Vontade de Deus... Mas, o que é a Vontade de Deus?! Minha vontade, por exemplo, quando acontece... Pois, se acontece, é a Vontade de Deus. Mas, quando não acontece, é dada a Vontade de Deus. A Vontade de Deus abrange, assim, tudo que acontece e não acontece. Até aí, tudo bem! O problema é compreender e aprender com o que está por detrás da Vontade de Deus...

Jorge Pi

Desabafo

A sublime intenção do poeta é construída de dor, desavenças, melancolia e um brevíssimo senso de humor, enquanto tempero indispensavelmente adicional, senão não surgiria a inusitada matiz de sublimidade e, em vez disto, ressoaria falsa ou, minimamente, fantasiosa. Coisa que ocorre com os pretensos poetas! Poesia não é pensada, nem dita, pelo poeta de verdade. Ela própria se pensa e se diz, por intermédio da magnânima miserabilidade da condição de se ser poeta. E o poeta advinha o óbvio... Mas, apesar de em sua adivinhação não existir nada de novo, o velho se instaura de forma nova, cheio de matizes nunca antes percebidas como tal!

Jorge Pi

Dever

Devo não dever como deveria não estar devendo, devido à dívida dividida em parcelas, devidamente endividadas com o dever do desendividamento almejado... E a Vida, sem dúvida, deverá me cobrar, de vida em vida, a vívida compensação de uma vital devolução, ceitil por ceitil, por haver, deveras, quitada uma negligência de não ter usado, devidamente, os meus ouvidos de ouvir e os meus olhos de ver...


Jorge Pi

quinta-feira, 2 de março de 2017

Elastecendo o Espírito...

Sacerdócios diversos há à espera de nós! Aliás, somos chamados, a cada inalação, a oficiar a Presença Divina no Altar Cardíaco-Shekinático do nosso coração. Nosso Verdadeiro Templo, o corpo, malgrado corruptível, espera de nós a sua Transfiguração Gloriosa! Então, sob a batuta do Espírito Santo, sete virtudes hão de substituir sete pecados... E, na Comunhão dos Santos, seremos pequeninas crianças adentrando o Reino em indisfarçável e verdadeira Alegria! Mas, enquanto isto não sucede, sigamos exemplos, aprendamos santidade, elastecendo o espírito!

Jorge Pi

Lucidez...

Lucidez é o que busco... Busco a lucidez de ser, olhar e ver... Ver o que está posto, diante de mim e não um imaginado mundo recheado de passado e ansioso por um ilusório futuro que, quando chega, receio ser recheio com gostinho de passado, escapando do presente. Quero a lucidez do ver a vida quão presente desvencilhado dos embrulhos do passado e do fururo, pois são sempre isto: embrulhos! E o que fica é o presente, no final das contas, não é mesmo!

Jorge Pi

Fracasso...

Ter fracassado é bom. Ser fracassado, não! Fracasso é parâmetro... Não, Perímetro! Perimetrar um parâmetro é desvirtuar-lhe o propósito. A propósito: ao caminhar, se uma das pernas não se submetesse à ação limítrofe de uma passada, apenas, num se render ao parâmetro de ser um impulso locomotor ao passo dado restrito à pequena extensão do movimento de andar, cedendo a vez à outra perna, numa consubstanciada confissão de relativo fracasso, tendo como resposta uma ação simétrica de igual proporção, da parte da outra perna, com certeza o andar sucumbiria num caótico movimento de pernas que se pretendessem, insanamente, extensivas ao infinito, sem propósito algum senão um doentio e egóico desejo de serem meramente "bem sucedidas". Aliás, aquilo a que se convencionou chamar de sucesso é, na verdade, o somatório de "n" fracassos que se dão os braços e se acertam, atônitos, tendo em vista um propósito previamente definido, cujo atingimento pleno se propõe conquistar. Pois, no mais das vezes, a conquista está nos meandros da busca, nela própria; sendo, o alvo, meramente, um distinto parâmetro.

Jorge Pi

Ma(r)ço

Mar e aço
Eu embaraço
E, em meu braço,
Março, faço...

Faço um maço
E enfumaço
Uma só face, fácil, fácil!

É massa:
A farsa
Faz-se revelar se a falsa face for ceifada...

Jorge Pi


Nascer...

Nascer é morrer...

Jorge Pi

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Dar de Si...

No princípio de tudo há aspiração... E o andar faz estrada e eis: resolução. E, no firme propósito, vem a concepção. Paralelo há também linda inspiração. E se espreita, de jeito, certa percepção. De repente, eis que surge uma prospecção. Relutante e em vacilos, cresce uma reflexão. E, então, tudo é claro, sob a luz da razão. Sucumbimos, tristonhos, ante a constatação. E, tão causticamente, vem a decepção... Ver de perto o deserto; lacrimejar solidão. Mas, na vida da gente, há a continuação... Soerguer, firme, a face, apesar da ilusão. Continuar é preciso; permitir procissão. Professar resiliência; cultivar a oração. Transmutar, lindamente; arejar coração! Respirar novos risos; semear gratidão. Ter ciente e preciso que é preciso o perdão. Perdoar quem nos fere pois não é a nós, não...

- Jorge Pi

Lindo, Clarice!

Lindo! Clarisse é como um 'espectro' de diáfanas ideias amalgamadas em densos sentimentos que se entregam às claras obnubilidades da genialidade literária... Mas, há um lenitivo para a nostalgia e, talvez até para a depressão: a oração! Rezar o "Pai Nosso", por exemplo, atenta e compenetradamente, reestabiliza-nos a serenidade e nos possibilita usufruir plenamente as dádivas avatávicas de cada Momento Presente! ✨😉✨

- Jorge Pi

Não quero...

Não quero o propósito cansado do não-cumprimento atingido... Não quero a tribulação demorada da destruição pretendida... Não quero o definhamento plantado nas decepções traiçoeiras... Não quero o estrangulamento da mente que busca, demente, fechar-se... Não quero o rosnar de um brutal precipício, à espreita da queda, no limiar da agonia... Não posso querer coisa tíbia, pois sobra a querência de luar e de mar... Não posso pender toda vida, pois pendo o pender no viver... Vida, vida, sobrevida, sobreviva depois de eu morrer!!!

- Jorge Pi

Religando...

Deus Pai de Amor e Bondade... sempre nos auxilia na Estrada da Vida...
Surdos à sua Voz, cambaleamos, tropegamente, em nossos tímidos passos de criaturas simples e ignorantes, mas propensas à Luz e à Verdadeira Beleza.
E o tempo passa e a nossa caminhada fica mais e mais difícil...
No entanto, basta apenas ouvir a Sua Voz e, então, o Verbo Se Faz carne e nos alegra o coração cansado!
Na oração do "ouvir A Voz de Deus", completamo-nos e, plenos de Seu Amor, estendemos nossas mãos cansadas e transmitimos a Sua Força aos irmãos queridos que nos ladeiam na caminhada evolutiva!
E somos fortes, em sendo frágeis; e somos mais, em sendo menos.
E, então, pequenos, podemos ser grandes, sob os auspícios de Sua Vontade!
E a Vontade de Deus sempre é melhor do que a nossa!

- Jorge Pi

Aura Pura...

Alimento que se alimenta do Alento do alimento... Alento que nos alenta no alimento que alimenta... Lamento que não lamenta o alinhamento do alimento. Momento de alinhar mente e coração no alimento! Mormente se a Alma vibra e o corpo brilha em uma aura pura!

- Jorge Pi

Vede!

Olho-Que-Tudo-Vê, vede através do meu simples olhar e sede o meu ver-o-que-quer-eu-mire... Mira-me com uma alinhada mira, para que Eu Seja, no alinhamento testemunhal cósmico do Atentar para o Maravilhoso Poder do Aqui-e-Agora! Atualiza-me à minha verdadeira Realidade! Realiza-me, em Tua própria Atualidade! Assim Seja!!!

- Jorge Pi

Deglutindo a Análise...

Aspectos básicos de mim entram em confronto com perspectivas possíveis a me encaminharem, na vida... Do confronto advêm muitas formas de me expressar que me fazem sair de mim e me encontrar comigo mesmo, num paradoxal desencontro interseccional que me deixa docilmente atrelado a uma libertação interior, na qual vivencio o meu projeto de ego em fragmentação, tendo em vista uma completa imersão no Todo do qual faço parte, intrínseca e extrinsecamente, a despeito da aparência de estar sempre absorto a tudo que diz respeito à integralidade ontológica... No mais... se, para ser feliz, importa não analizar, como sorver a síntese sem degustar a análise?!

- Jorge Pi

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Tonto...

Família-mundo volta ao mundo tem que dar, pra dar pra o mundo as muitas voltas que tem que dar pra familiarizar as voltas que o mundo-família dá pra dar pra família, de volta, as voltas que o mundo e a família não podem dar... Pois, senão, as voltas que o mundo-família não der são sem volta, pois o mundo, em família, não dando as voltas que precisa dar, há de emperrar as voltas no mundo que um dia sonháramos em, um dia, dar... Vivam as voltas; viva o mundo; viva a família no mundo das voltas! 

- Jorge Pi

Um dia...

Um dia a gente aprende... E, nesse dia, algo maravilhoso há de existir... Não sei o quê, pois não aprendi, ainda. Mas, com toda certeza, hei de saber! 😂

- Jorge Pi

Borbolleta...

Borbolleta, borbolleta, suas pétalas são asas nos jardins dos ares límpidos! Graciosas, graciosas, batem, leves, lindas, fluidas, de tão frágeis são mui bellas! Borboletas, borboletas, Lar-Ágharta em casulo breve...

- Jorge Pi

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

A Dor e o Cansaço...

Nossa condição primordial nos impele à Vida, inexoravelmente... O percurso é, às vezes, íngreme, tortuoso, desértico e escarpado. Mas, caminhar é um direito axial e, caminhando, vislumbramos paisagens insuspeitas, de tão belas, logo ali, após um sinuoso trecho... A dor e o cansaço são nossos irmãos vindo de encontro a nós... Abracemo-los fraternalmente e os permitamos seguir a estrada! E ela é a mesma que a nossa, mas cada passo deve ser dado no ritmo próprio... Conversemos com a dor e ouçamos o cansaço. Eles sempre nos trás uma linda lição! Mas, permitamos sua ida e não nos deixemos envolver com seus passos lúgubres... São assim para que possamos dar breves paradas e, contemplativamente, possamos meditar sobre o nosso Caminhar! Namastê!


- Jorge Pi

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Riso...

...O riso de uma criança é incomensuravelmente insondável... Lá se encontra o nascedouro da Verdadeira Felicidade que, como uma estrela, vem até nós num cintilante raio de luz e nos acerta em cheio o coração!


- Jorge Pi

Sentido

O sentido é sentido em posição de sentido! Sentido, o sentido faz sentido... Não sentido, não... Sentido pressupõe um sentido qualquer, desde que, deveras, faça sentido... Assim, todo o sentido do mundo está em fazer sentido se o sentido sentido não for um falso sentido... Mas, como sabê-lo se o sentido é um sentido sentido, a despeito de sempre se projetar à possibilidade do eterno vir a ser sentido?! Aliás, tendo sentido, algo ou alguém pode vir a ser sentido como algo ou alguém que merece ser sentido por ter sentido o sentido que lhe é peculiar... Ou, não?!


- Jorge Pi

Então...

A imagem pode conter: texto                                                                                                      
Professor de Matemática


Sim, se o quadrado da velocidade da luz for uma hipotenusa de um Triângulo Retângulo Cósmico, donde os catetes comporiam a soma do quadrado da indefinida finitude do Universo e do quadrado da incomensurável infinitude da Inteligência Universal!!!

- Jorge Pi


Inocência...

A inocência não é tanto inocência quanto capricho e refinamento de algo que não se busca por já se ser: INOCÊNCIA!

- Jorge Pi

sábado, 3 de dezembro de 2016

Quantos éons?!...

Oh, finitude que me preenche a vida à margem da pele!... Oh, improvável sossego que me espreita, apesar das angústias que me circundam!... Oh, infinda penúria de não ser mais que eu mesmo em uma iconoclasta batalha de me idolatrar em re-verso!... Oh, imponderável perplexidade que me fascina a completude fugaz de não-redenção que se espalha em meu jeito de ser obstinada resignação passageira!... Quantos éons de brilhos cativos meus olhos terão que beber das estrelas??!...

- Jorge Pi

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Penso eu!

Pensando... Pensando... Penso eu! Mas... Que é pensar?!... Será que é ficar sus-penso em uma tensão axial, numa superfície aquosa, na qual tudo são ondas circuncêntricas a se propagarem em perspectiva, no adivinhar do ser nada mais do que uma ideia?!... Ou quem sabe a exasperada noção de um nó em ação de ser desatado por raciocínios diversos e luxuosamente desconexos, a tripudiar a lógica, desavergonhadamente... Pois a vida é assim: de repente, um riso!


- Jorge Pi

O Guarda

O guarda guarda o guarda-roupas guardando as chaves guardadas de serem guardadas no guarda-roupas que o guarda guarda...
Guarde bem guardado, seu guarda, o guarda-roupas, aguardando o aguardar se resguardar do aguardar de guardas que não toleram guardas que guardam guarda-roupas por sucumbirem a aguardentes aguardados, de tanto a água arder na água d'antes aguardada.

- Jorge Pi

Joaninha, Joaninha!

Joaninha, Joaninha... Você é engraçadinha! Caprichosamente linda! Seja sempre mui bem-vinda! Quem vestiu você, assim, que a deixou uma gracinha?! Foi, decerto, a Mãe-Natura, que há de vestir muito, ainda!       



                                                        
                                                                 - Jorge Pi

Assim SEJA!

Nem sempre a Vontade de Deus é a nossa vontade... Mas, que sempre a nossa vontade SEJA a Vontade de Deus!

- Jorge Pi

Quer dizer...

Movimento é movimento, mesmo se restrito à sua estática delimitação de ser, tão-somente, movimento... Quer dizer: movimento, em si, pressupõe infinitas possibilidades, dada a variação implícita de poder vir a ser algo mais, em proporção direta à realização potencial de sua própria natureza...

- Jorge Pi

Uma pequenina reflexão sobre o significado da fórmula da Física Quântica, anexa... E ela significa que a Energia total é igual à Energia Cinética mais a potencial...




Vazio interior...

A exacerbação da imensidão de um vazio interior...

- Jorge Pi


Forbes Woman Ukraine com Sergii Shaulis.
"Человек без стержня"
Удивительная работа харьковского скульптора Сергея Шаулиса (Sergii Shaulis).

Super Luar de Mel

Ah! Agora sei... A LUA era de Mel!
Melquíades foi um General Ateniense...
Melcíades, um Menestrel Itabaianense...
Itabaiana, sua Atenas...
As Artes, seu Campo de Batalha...
Os louros?!
Sua bela obra!
...Melcíades não morreu... Tornou-se um Super Luar de Mel!

CurtirMostrar mais reações
Comentar
Postado no face, no dia do seu falecimento: 15/11/2016.

Consensual...

Regras são regras: parêntesis, primeiro. Depois, aderentes, pra multiplicar. Por último, adequa-se à razão, pra bem dividir. Resultando numa linda e meiga dualidade, como pedagógica exortação de que a bifurcação calcular inicial poderia, equivocadamente, resultar diversamente do arbítrio consensual da Comunidade Científico-Matemática! 

- Jorge Pi

Noturnas...

Tristeza não é bem o caso... Melancolia, também não... Certa inquietude latente a sonhar com tardes idas que, de tão passadas, tornaram-se noites em nossas noturnas memórias interiores...

- Jorge Pi

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Espera

Espero, na espera, mui esperançosamente...

E espero que a espera que espero ser vera,
Nunca me desespere, por tamanho esperar.

Na esfera da espera, mil feras, deveras,
Põem-se a se irritar por ter tanta quimera
Que medra, aos poucos, que nem vil galera
A se transmudar de longínqua Era,
Num rouco ruído que se nos reverbera...

Que a espera, por si, não tolhe nem gera,
Apenas consome, qual muda Megera!

- Jorge Pi

domingo, 6 de novembro de 2016

A Coisa Pública

A Coisa Pública é Privada de ser Pública, como deveria ser, enquanto Coisa, que é... Pública!
O Poder Público não pertence ao Público, pois, de tão Privado, o apático Público, exceto na urna, abstém-se, no final das contas, involuntariamente, de exercer o seu Legítimo Poder!
Resta-nos um sabor de amargo a nos aquietar o Senso Público de nos Pronunciarmos, dado o Poder de nossa Privação Cívica...

- Jorge Pi

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Processos

Nós somos um Processo: Ser Humano!
E, homens ou mulheres, não Somos as crianças e adolescentes, através dos quais nos expressamos, um dia; nem os adultos que estamos vivenciamos o nosso hoje tão de perto; bem como não seremos, tão-somente, os idosos que, queira Deus, experienciaremos, no Grande Ocaso de nossa Existência.
Mas, o conjunto disto tudo!
Somos Completos, manifestando-nos como que em partes!
Pois o Ser Verdadeiro que Somos não possui idade, nem nome, bem como qualquer atributo fenomênico humano.
E, para nos Identificarmos com Ele, basta que, em qualquer idade, estejamos despertos para o Aqui e Agora, como uma Silente Presença a Testemunhar a Beleza da Vida que de nós sempre se irradia, quer estejamos disto conscientes, ou não.

- Jorge Pi

Até mesmo...

Até mesmo o Caos obedece, de alguma forma, a uma certa Regularidade...
Pitagoricamente, nada há que não se submeta aos Princípios Cósmicos de Sistema e Ordem!
Quando o Caos se Instaura, planta uma sementezinha de Cosmos em si mesmo.
E, de repente... sistematizam-se, ordenadamente, possibilidades cada vez mais complexas de regularização daquilo que se expressa, primariamente, em aparência trevosa.
Mas, à Luz, destina-se Tudo!


- Jorge Pi 

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Dez Atos

A gente, de repente, está aqui... Respirando o momento premente, presentificado no eterno fluir... Aliás, é no fluir do momento-presente que a Graça se Instaura, a despeito de nós... De nós, quando os nós nos apertam, e nem toda a força do mundo consegue desatar. Dez atos desatam, no entanto, aquilo que o mundo se esquiva a fazer... Dez atos desatam mil nós ou bem mais: querer decidir resolver merecer transformar, conseguir alcançar realizar consumar transcender!

- Jorge Pi