.

.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Amar...

Amar é Comungar o Sagrado!


- Jorge Pi

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Dar de Si...

No princípio de tudo há aspiração... E o andar faz estrada e eis: resolução. E, no firme propósito, vem a concepção. Paralelo há também linda inspiração. E se espreita, de jeito, certa percepção. De repente, eis que surge uma prospecção. Relutante e em vacilos, cresce uma reflexão. E, então, tudo é claro, sob a luz da razão. Sucumbimos, tristonhos, ante a constatação. E, tão causticamente, vem a decepção... Ver de perto o deserto; lacrimejar solidão. Mas, na vida da gente, há a continuação... Soerguer, firme, a face, apesar da ilusão. Continuar é preciso; permitir procissão. Professar resiliência; cultivar a oração. Transmutar, lindamente; arejar coração! Respirar novos risos; semear gratidão. Ter ciente e preciso que é preciso o perdão. Perdoar quem nos fere pois não é a nós, não...

- Jorge Pi

Lindo, Clarice!

Lindo! Clarisse é como um 'espectro' de diáfanas ideias amalgamadas em densos sentimentos que se entregam às claras obnubilidades da genialidade literária... Mas, há um lenitivo para a nostalgia e, talvez até para a depressão: a oração! Rezar o "Pai Nosso", por exemplo, atenta e compenetradamente, reestabiliza-nos a serenidade e nos possibilita usufruir plenamente as dádivas avatávicas de cada Momento Presente! ✨😉✨

- Jorge Pi

Não quero...

Não quero o propósito cansado do não-cumprimento atingido... Não quero a tribulação demorada da destruição pretendida... Não quero o definhamento plantado nas decepções traiçoeiras... Não quero o estrangulamento da mente que busca, demente, fechar-se... Não quero o rosnar de um brutal precipício, à espreita da queda, no limiar da agonia... Não posso querer coisa tíbia, pois sobra a querência de luar e de mar... Não posso pender toda vida, pois pendo o pender no viver... Vida, vida, sobrevida, sobreviva depois de eu morrer!!!

- Jorge Pi

Religando...

Deus Pai de Amor e Bondade... sempre nos auxilia na Estrada da Vida...
Surdos à sua Voz, cambaleamos, tropegamente, em nossos tímidos passos de criaturas simples e ignorantes, mas propensas à Luz e à Verdadeira Beleza.
E o tempo passa e a nossa caminhada fica mais e mais difícil...
No entanto, basta apenas ouvir a Sua Voz e, então, o Verbo Se Faz carne e nos alegra o coração cansado!
Na oração do "ouvir A Voz de Deus", completamo-nos e, plenos de Seu Amor, estendemos nossas mãos cansadas e transmitimos a Sua Força aos irmãos queridos que nos ladeiam na caminhada evolutiva!
E somos fortes, em sendo frágeis; e somos mais, em sendo menos.
E, então, pequenos, podemos ser grandes, sob os auspícios de Sua Vontade!
E a Vontade de Deus sempre é melhor do que a nossa!

- Jorge Pi

Aura Pura...

Alimento que se alimenta do Alento do alimento... Alento que nos alenta no alimento que alimenta... Lamento que não lamenta o alinhamento do alimento. Momento de alinhar mente e coração no alimento! Mormente se a Alma vibra e o corpo brilha em uma aura pura!

- Jorge Pi

Vede!

Olho-Que-Tudo-Vê, vede através do meu simples olhar e sede o meu ver-o-que-quer-eu-mire... Mira-me com uma alinhada mira, para que Eu Seja, no alinhamento testemunhal cósmico do Atentar para o Maravilhoso Poder do Aqui-e-Agora! Atualiza-me à minha verdadeira Realidade! Realiza-me, em Tua própria Atualidade! Assim Seja!!!

- Jorge Pi

Deglutindo a Análise...

Aspectos básicos de mim entram em confronto com perspectivas possíveis a me encaminharem, na vida... Do confronto advêm muitas formas de me expressar que me fazem sair de mim e me encontrar comigo mesmo, num paradoxal desencontro interseccional que me deixa docilmente atrelado a uma libertação interior, na qual vivencio o meu projeto de ego em fragmentação, tendo em vista uma completa imersão no Todo do qual faço parte, intrínseca e extrinsecamente, a despeito da aparência de estar sempre absorto a tudo que diz respeito à integralidade ontológica... No mais... se, para ser feliz, importa não analizar, como sorver a síntese sem degustar a análise?!

- Jorge Pi

No Coração do Homem...


“É no coração do homem que a união deve se realizar”...
(Louis-Claude de Saint-Martin)


"No coração do homem..." Naquele lugar onde o pulsar é a tônica, onde o fluir é o método e onde o sentir é a Lei...

Onde se Sente o Fluir Pulsando...

Onde a tônica metódica é o Fiel Cumprimento da Lei Cósmica, no Homem!

- Jorge Pi

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Tonto...

Família-mundo volta ao mundo tem que dar, pra dar pra o mundo as muitas voltas que tem que dar pra familiarizar as voltas que o mundo-família dá pra dar pra família, de volta, as voltas que o mundo e a família não podem dar... Pois, senão, as voltas que o mundo-família não der são sem volta, pois o mundo, em família, não dando as voltas que precisa dar, há de emperrar as voltas no mundo que um dia sonháramos em, um dia, dar... Vivam as voltas; viva o mundo; viva a família no mundo das voltas! 

- Jorge Pi

Um dia...

Um dia a gente aprende... E, nesse dia, algo maravilhoso há de existir... Não sei o quê, pois não aprendi, ainda. Mas, com toda certeza, hei de saber! 😂

- Jorge Pi

Borbolleta...

Borbolleta, borbolleta, suas pétalas são asas nos jardins dos ares límpidos! Graciosas, graciosas, batem, leves, lindas, fluidas, de tão frágeis são mui bellas! Borboletas, borboletas, Lar-Ágharta em casulo breve...

- Jorge Pi
Alma Celta e Substância Divina - Jardins da Alma
Borboleta parece flor que o vento tirou pra dançar.
Fernando Anitelli

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

A Dor e o Cansaço...

Nossa condição primordial nos impele à Vida, inexoravelmente... O percurso é, às vezes, íngreme, tortuoso, desértico e escarpado. Mas, caminhar é um direito axial e, caminhando, vislumbramos paisagens insuspeitas, de tão belas, logo ali, após um sinuoso trecho... A dor e o cansaço são nossos irmãos vindo de encontro a nós... Abracemo-los fraternalmente e os permitamos seguir a estrada! E ela é a mesma que a nossa, mas cada passo deve ser dado no ritmo próprio... Conversemos com a dor e ouçamos o cansaço. Eles sempre nos trás uma linda lição! Mas, permitamos sua ida e não nos deixemos envolver com seus passos lúgubres... São assim para que possamos dar breves paradas e, contemplativamente, possamos meditar sobre o nosso Caminhar! Namastê!

- Jorge Pi

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Riso...

...O riso de uma criança é incomensuravelmente insondável... Lá se encontra o nascedouro da Verdadeira Felicidade que, como uma estrela, vem até nós num cintilante raio de luz e nos acerta em cheio o coração!

- Jorge Pi

Sentido

O sentido é sentido em posição de sentido! Sentido, o sentido faz sentido... Não sentido, não... Sentido pressupõe um sentido qualquer, desde que, deveras, faça sentido... Assim, todo o sentido do mundo está em fazer sentido se o sentido sentido não for um falso sentido... Mas, como sabê-lo se o sentido é um sentido sentido, a despeito de sempre se projetar à possibilidade do eterno vir a ser sentido?! Aliás, tendo sentido, algo ou alguém pode vir a ser sentido como algo ou alguém que merece ser sentido por ter sentido o sentido que lhe é peculiar... Ou, não?!

- Jorge Pi

Então...

A imagem pode conter: texto                                                                                                      
Professor de Matemática


Sim, se o quadrado da velocidade da luz for uma hipotenusa de um Triângulo Retângulo Cósmico, donde os catetes comporiam a soma do quadrado da indefinida finitude do Universo e do quadrado da incomensurável infinitude da Inteligência Universal!!!

- Jorge Pi


Inocência...

A inocência não é tanto inocência quanto capricho e refinamento de algo que não se busca por já se ser: INOCÊNCIA!


- Jorge Pi

sábado, 3 de dezembro de 2016

Quantos éons?!...

Oh, finitude que me preenche a vida à margem da pele!... Oh, improvável sossego que me espreita, apesar das angústias que me circundam!... Oh, infinda penúria de não ser mais que eu mesmo em uma iconoclasta batalha de me idolatrar em re-verso!... Oh, imponderável perplexidade que me fascina a completude fugaz de não-redenção que se espalha em meu jeito de ser obstinada resignação passageira!... Quantos éons de brilhos cativos meus olhos terão que beber das estrelas??!...

- Jorge Pi

Uma Onda...

Uma onda quadrada numa piscina redonda...

- Jorge Pi

Aulas de Matemática compartilhou a foto de Professor de Matemática.
11 h

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Penso eu!

Pensando... Pensando... Penso eu! Mas... Que é pensar?!... Será que é ficar sus-penso em uma tensão axial, numa superfície aquosa, na qual tudo são ondas circuncêntricas a se propagarem em perspectiva, no adivinhar do ser nada mais do que uma ideia?!... Ou quem sabe a exasperada noção de um nó em ação de ser desatado por raciocínios diversos e luxuosamente desconexos, a tripudiar a lógica, desavergonhadamente... Pois a vida é assim: de repente, um riso!

- Jorge Pi

O Guarda

O guarda guarda o guarda-roupas guardando as chaves guardadas de serem guardadas no guarda-roupas que o guarda guarda...
Guarde bem guardado, seu guarda, o guarda-roupas, aguardando o aguardar se resguardar do aguardar de guardas que não toleram guardas que guardam guarda-roupas por sucumbirem a aguardentes aguardados, de tanto a água arder na água d'antes aguardada...  





  


   
  

  



  


  





  



- Jorge Pi

Joaninha, Joaninha!

Joaninha, Joaninha... Você é engraçadinha! Caprichosamente linda! Seja sempre mui bem-vinda! Quem vestiu você, assim, que a deixou uma gracinha?! Foi, decerto, a Mãe-Natura, que há de vestir muito, ainda!       



                                                        
                                                                 - Jorge Pi

Assim SEJA!

Nem sempre a Vontade de Deus é a nossa vontade... Mas, que sempre a nossa vontade SEJA a Vontade de Deus!

- Jorge Pi

Quer dizer...

Movimento é movimento, mesmo se restrito à sua estática delimitação de ser, tão-somente, movimento... Quer dizer: movimento, em si, pressupõe infinitas possibilidades, dada a variação implícita de poder vir a ser algo mais, em proporção direta à realização potencial de sua própria natureza...

- Jorge Pi

Uma pequenina reflexão sobre o significado da fórmula da Física Quântica, anexa... E ela significa que a Energia total é igual à Energia Cinética mais a potencial...




Vazio interior...

A exacerbação da imensidão de um vazio interior...

- Jorge Pi


Forbes Woman Ukraine com Sergii Shaulis.
"Человек без стержня"
Удивительная работа харьковского скульптора Сергея Шаулиса (Sergii Shaulis).

Super Luar de Mel

Ah! Agora sei... A LUA era de Mel!
Melquíades foi um General Ateniense...
Melcíades, um Menestrel Itabaianense...
Itabaiana, sua Atenas...
As Artes, seu Campo de Batalha...
Os louros?!
Sua bela obra!
...Melcíades não morreu... Tornou-se um Super Luar de Mel!
CurtirMostrar mais reações
Comentar
Postado no face, no dia do seu falecimento: 15/11/2016.

Consensual...

Regras são regras: parêntesis, primeiro. Depois, aderentes, pra multiplicar. Por último, adequa-se à razão, pra bem dividir. Resultando numa linda e meiga dualidade, como pedagógica exortação de que a bifurcação calcular inicial poderia, equivocadamente, resultar diversamente do arbítrio consensual da Comunidade Científico-Matemática! 

- Jorge Pi
CurtirMostrar mais reações
Comentar

Noturnas...

Tristeza não é bem o caso... Melancolia, também não... Certa inquietude latente a sonhar com tardes idas que, de tão passadas, tornaram-se noites em nossas noturnas memórias interiores...

- Jorge Pi

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Espera

Espero, na espera, mui esperançosamente...

E espero que a espera que espero ser vera,
Nunca me desespere, por tamanho esperar.

Na esfera da espera, mil feras, deveras,
Põem-se a se irritar por ter tanta quimera
Que medra, aos poucos, que nem vil galera
A se transmudar de longínqua Era,
Num rouco ruído que se nos reverbera...

Que a espera, por si, não tolhe nem gera,
Apenas consome, qual muda Megera!

- Jorge Pi

domingo, 6 de novembro de 2016

A Coisa Pública

A Coisa Pública é Privada de ser Pública, como deveria ser, enquanto Coisa, que é... Pública!
O Poder Público não pertence ao Público, pois, de tão Privado, o apático Público, exceto na urna, abstém-se, no final das contas, involuntariamente, de exercer o seu Legítimo Poder!
Resta-nos um sabor de amargo a nos aquietar o Senso Público de nos Pronunciarmos, dado o Poder de nossa Privação Cívica...

- Jorge Pi

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Processos

Nós somos um Processo: Ser Humano!
E, homens ou mulheres, não Somos as crianças e adolescentes, através dos quais nos expressamos, um dia; nem os adultos que estamos vivenciamos o nosso hoje tão de perto; bem como não seremos, tão-somente, os idosos que, queira Deus, experienciaremos, no Grande Ocaso de nossa Existência.
Mas, o conjunto disto tudo!
Somos Completos, manifestando-nos como que em partes!
Pois o Ser Verdadeiro que Somos não possui idade, nem nome, bem como qualquer atributo fenomênico humano.
E, para nos Identificarmos com Ele, basta que, em qualquer idade, estejamos despertos para o Aqui e Agora, como uma Silente Presença a Testemunhar a Beleza da Vida que de nós sempre se irradia, quer estejamos disto conscientes, ou não.

- Jorge Pi

Até mesmo...

Até mesmo o Caos obedece, de alguma forma, a uma certa Regularidade...
Pitagoricamente, nada há que não se submeta aos Princípios Cósmicos de Sistema e Ordem!
Quando o Caos se Instaura, planta uma sementezinha de Cosmos em si mesmo.
E, de repente... sistematizam-se, ordenadamente, possibilidades cada vez mais complexas de regularização daquilo que se expressa, primariamente, em aparência trevosa.
Mas, à Luz, destina-se Tudo!

- Jorge Pi 

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Dez Atos

A gente, de repente, está aqui... Respirando o momento premente, presentificado no eterno fluir... Aliás, é no fluir do momento-presente que a Graça se Instaura, a despeito de nós... De nós, quando os nós nos apertam, e nem toda a força do mundo consegue desatar. Dez atos desatam, no entanto, aquilo que o mundo se esquiva a fazer... Dez atos desatam mil nós ou bem mais: querer decidir resolver merecer transformar, conseguir alcançar realizar consumar transcender!

- Jorge Pi

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Nin

Nin é uma pequena árvore de estimação que vive em frente à minha casa.
Há algum tempo, ela vinha me pedindo socorro.
Triste, estava a definhar em seu ímpeto de crescimento. Não sei por que, mas, já não queria mais se desenvolver. Adolescente sem ânimo, a vida lhe parecia uma triste sina de seca perspectiva e quase nenhuma esperança nos amanhãs.
Em sua vegetativa condição, no entanto, uma seiva de fé e de vitalidade, peculiar às jovens espécimes de sua idade, insistia-lhe que se dispusesse a lutar contra o marasmo de ser pífia, em robustez, e pusilânime, em exuberância. E, num querer sereno e arrebatador, seus olhos fotossintéticos fitaram, avatavicamente, os meus. E, num olhar pleno de ver, todo meu entendimento se rendeu ao seu silente clamor. Numa empatia de criatura que se compadece de outra, pus-me a providenciar aquilo de que mais precisava a minha amiguinha: água, no sentido físico-químico e bio-alquímico para lhe garantir um continuar a ser vegetativamente viável. É que os do Reino Vegetal são avessos ao caminhar e, presos à Mãe-Terra, alimentam-se de sua mineralidade telúrica, como numa continuidade evolutiva dos do Reino Mineral, ao tempo em que são sombra prenunciadora dos do Reino Animal.
Então, vi um vaso verde da cor da pele das folhinhas de Nin. Um regador. Estava num canto em posição solitária. Solidário, peguei-o. Enchi-o d'água e fui até a arvorezinha suplicante. Reguei com o regador a água que havia estocado. Era perceptível a satisfação gerada nela. Numa aura prenhe de gozo e de prazer fractais, o derredor daquele ser aparentemente inerte fora povoado pela mais absoluta completude e pude degustar do sabor de ser provedor, de uma forma tão gratuita e recompensadora.
Era um início de noite. Mas, havia tanta luz! Como simples vagalume luxuosamente a brilhar. E nada de retumbantemente holofótico. Ato hodierno, mas ultra-sofisticado.
Dia seguinte, mesmo ritual: pegar regador, pôr água e levar, banhar na raiz e cumprir bom dever. À manhã e à tarde ou no início da noite. Rotina criou-se em frequência diária.
Dias passados, e eu vi, de repente: havia uns brotinhos nas pontas de rama, nos galhos lançados do tronco de Nin. Tronco-caule, que a idade era pouca, por certo.
O fato é que o entusiasmo Habita nela, agora. E eu sou um pedaço. Um pedaço entusiástico de ser motivo de contentamento. Que na mútua função de regar e olhar, sou broto que brota e que medra com ela.
Mas, não é minha a ação de regar a plantinha. É dela própria, agora eu bem sei. Eu?! Sou apenas seu servo que serve a um propósito: ser braço e ser perna e ser olhos pra Nin!

- Jorge Pi

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Sentar

Sentar na varanda da vida, a vagar...
Varando o vagar da varanda da vida...
Vivendo e vagando o varar da varanda...
Ver vaga de vida, varando a varanda...
Viver: coisa linda!
Sentar pé-varanda!

- Jorge Pi

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Caixinha de surpresas...

Respiro o ar que me abraça, que me envolve e me digere...
Capturo a acústica dos sons do mundo, que me rodeiam e me atingem...
Alimento os olhos de pães-de-luz que se derramam em cores vívidas...
Reclamo o dito como um mal-dito, em meu silêncio reflexivo...
Em simples mente, que reverbera, meu corpo fala com somatismos...
São dores tantas e tão faceiras que a dura ação de ser tão forte me veste em roupas de couro rijo...
E o riso chora de tanto esmero...
E um choro alegre é o meu sorriso!
Viva a vida!
A nossa vida...

- Jorge Pi

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Amiga "X", Amigo "Y" e quase Nativivo(a) amighuinho(a) "XY"...

Amiga "X"... Amigo "Y"... Fiquei sabendo...
A pequenina melodia teve dificuldade e se esquivou de reverberar!
Mas, ela flui silenciosamente...
E, no momento certo, há de retumbar, linda, límpida e maravilhosamente, através de vocês...
Foi apenas um Ensaio...
O Maestro, no entanto, há de Reger o seu Advento no Pomposo Tempo que Haverá de Vir...
E virá, decerto!
Quanto a isto, não nutro a menor dúvida!


- Jorge Pi

sábado, 1 de outubro de 2016

A Graça...

A Graça está fervilhando em nossa mente-coração e, simplesmente, não damos a devida Atenção a Ela!
E a vida passa e, a passos soltos, nós nos perdemos de Sua Graciosa Presença!
E ainda culpamos os outros!
Nem nós somos culpados pelos nossos reveses, mas, tão-somente, os Responsáveis...
Ser irresponsável é uma forma de ser responsável, também!
Só que de ponta-a-cabeça!
Mas, a Graça Sempre está, Esperançosamente, a espera de Nós!

- Jorge Pi

Linda e Breve...

A vida é uma linda e breve oportunidade...

- Jorge Pi

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Brincar com palavras...

Os escritos que saem de mim, são apenas um passa-tempo... Talvez sejam reflexos de ações literárias, oriundas de 'outras paragens'... Digo isto, pois adoto um procedimento um tanto quanto automático, embora não seja bem um processo mediúnico... Encaro mais como o buscar coisas e penduricalhos no fundo do baú de minha memória experiencial mais profunda... Isto por que a abrangência de nossa vida não está delimitada à perimetral circunscrição da nossa atual encarnação... Como um ator que, atuando como um simples bancário, de repente, improvisa falas fora do 'script', oriundas de outras peças que, também de repente, a memória o permite utilizar... Há, dentro do "Mim" que posso mensurar tangencialmente, uma gama de sentimentos nostálgicos que reverberam em notas vagas de uma partitura que exprime arte, ciência, misticismo e filosofia! Jorge π fica só mirando, ao longe, como um fiel expectador de uma trama que vem se desenvolvendo há muito... Mas, o que posso dizer ao certo é que, graças a Deus, estou a Caminho da Luz! Nisto, devo muito com o que aprendi com queridos amigos de minha juventude de buscador das Coisas do Espírito... Um deles, aliás, já tendo nos deixado, sinto-o, vez por outra, "por perto", a me auxiliar, como uma brisa suave que vem, circunda e passa... Sou criança, ainda... Tenho muito o que crescer! Mas, agradeço e agradeço... E, entre um agradecimento e outro, surgem palavrinhas ao meu derredor e, então, nada mais posso fazer, a não ser brincar com elas...

- Jorge Pi 

sábado, 17 de setembro de 2016

Mundo

O mundo é o mundo...
Meu mundo é minha casa!
Minha casa é minha toca...
E ela toca fundo, em mim!
Minha toca, meu sossego...
Vejo tanto e só sou cego...
Nada vejo além de mim...
Olho o mundo e não o vejo...
Só desejo um mundo afim...
Fim de mundo é só o que vejo...
Num manejo sem mais fim!
Manivela... Mão e vela...
Vela o mundo humano, sim?!
Sai da toca, humano mundo,
Vai pro mundo: o mundo, em si!

- Jorge Pi